Nos últimos meses, várias pessoas que afirmavam ser funcionários do Cointelegraph desfilaram no LinkedIn e no Telegram, bem como por e-mail. Esses esforços geralmente tentam atrair vítimas inocentes a enviar pagamentos em troca de histórias escritas sobre eles ou suas empresas e publicadas no Cointelegraph.

Através do trabalho com a análise de blockchain e a empresa de combate à lavagem de dinheiro Coinfirm, o Cointelegraph acompanhou parte dessa atividade, lançando luz sobre a situação.

“Os golpistas estão usando de maneira relativamente eficaz as identidades de pessoas confiáveis ou influentes, como jornalistas, de várias maneiras para enganar os detentores de criptografia dos fundos”, disse à Cointelegraph o CMO e co-fundador da Coinfirm, Grant Blaisdell, em 16 de julho, referindo uma violação que afetou muitos contas de alto perfil no Twitter em 15 de julho, bem como uma infinidade de outras instâncias observadas por sua empresa ao longo do tempo.

Fraude pede por pagamentos

Em março de 2020, Blaisdell enviou um e-mail à Cointelegraph explicando que alguém se passava por funcionários da Cointelegraph por meio de uma conta do Telegram, solicitando serviços em troca de pagamento.

O e-mail de Blaisdell não é a primeira vez que alguém sinaliza para a equipe do Cointelegraph uma situação semelhante. Em várias ocasiões, empresas e indivíduos enviaram mensagens para a equipe nas mídias sociais, perguntando sobre a validade de certa correspondência aparentemente suspeita que haviam recebido do que parecia ser da equipe do Cointelegraph.

Por exemplo, alguém nas mídias sociais com uma imagem e biografia da equipe do Cointelegraph pode entrar em contato com uma pessoa ou empresa, oferecendo-se para escrever e publicar um artigo sobre a empresa do alvo em troca de pagamento. Este é já um sinal de alerta, pois não é assim que o Cointelegraph opera.

Cointelegraph documentou vítimas e contas

O Cointelegraph manteve registros de vários esforços de personificação, observando vítimas, dados e contas de personificação conhecidas. Alguns incidentes atingiram as metas de faturamento, com um evento conhecido envolvendo um pagamento real enviado por uma vítima.

Usando o Remitano, um serviço de troca de ativos digitais ponto a ponto completo com parâmetros de garantia, a vítima transferiu aproximadamente 0,044 Bitcoin (BTC), totalizando cerca de US $ 444, para o endereço BTC do impostor em 3Nnfk8tZa3wBCgs9we7XecRQVHj4wUMdvQ, de acordo com as conclusões da Coinfirm.

“O endereço do scammer parece pertencer a um cluster da Coinbase e pode-se supor que eles tenham uma conta na exchange”, disse Blaisdell em um email de 26 de junho.

Criptoesfera pode ajudar

O Cointelegraph está tomando medidas contra os impostores, embora os participantes do setor também possam ajudar. Exercer ceticismo se alguém enviar uma mensagem que pareça estranha ou fora do personagem, especialmente se o pagamento for mencionado. Notificar a equipe real do Cointelegraph após o recebimento dessa mensagem não é uma má idéia.

Blaisdell também observou uma ação proativa em geral, explicando:

“O caminho a seguir consiste em uma abordagem coletiva da economia relacionada à criptografia para colaborar com entidades como a Coinfirm, que podem fornecer os mecanismos e soluções para ajudar a combater esses casos e não apenas impedir a perda de milhões de dólares, mas criar um novo nível de segurança e transparência para o sistema financeiro em geral. ”

Além disso, seja cauteloso na Web como um todo, não apenas no nicho dos imitadores Cointelegraph, mas em todas as áreas. Desde que a pandemia de Coronavírus começou, a atividade ilegal ilegal da Internet aumentou 75% a partir de maio, com base nos dados do FBI dos EUA revelados em uma audiência do governo em junho.

LEIA MAIS

Fonte: cointelegraph.com.br/news/cointelegraph-cracks-down-on-staff-imposters-investigation-on-the-way

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here