Um relatório recente do provedor de análise e rastreamento de blockchain, Whale Alert, revelou que o minerador conhecido como Patoshi extraiu mais de US$ 10,9 bilhões ou 1.125.150 BTC durante a infância do Bitcoin, a fim de proteger a rede de um ataque de 51%.

Patoshi foi confirmado como o criador anônimo do Bitcoin conhecido como Satoshi e os primeiros blocos minerados por Patoshi também incluem a primeira transação de BTC para Hall Finney, um desenvolvedor bem conhecido e colaborador do Bitcoin.

O Whale Alert conseguiu chegar a essa conclusão revisando pesquisas anteriores conduzidas pelo pesquisador independente e criptógrafo Sergio Lerner. Lerner cunhou o termo minerador Patoshi quando um padrão criptográfico revelou que a maior parte da mineração inicial do Bitcoin foi realizado por um indivíduo com acesso ao software de mineração modificado. 

The Patoshi Pattern
The Patoshi Pattern

O padrão Patoshi. Fonte: Whale Alert

No gráfico acima, o padrão de Patoshi é visualizado e revela que as linhas retas estão usando o software de mineração Bitcoin padrão e as linhas “em forma de serra” são atribuídas a Patoshi.

Esse mesmo padrão permitiu ao Whale Alert descobrir que o minerador de Patoshi “ajustou sua velocidade entre os blocos” para manter o tempo médio em 0,6 blocos a cada 10 minutos.

Com base nos padrões deixados pelo minerador em alguns códigos armazenados em cada bloco Bitcoin, o Whale Alert também concluiu que essa operação de mineração inicial do Bitcoin era composta por até 48 computadores e um deles era responsável pela coordenação.

Por que o padrão Patoshi é único

De acordo com o Whale Alert, existem duas razões para ajustar a velocidade: manter o tempo por bloco próximo da marca de 10 minutos ou proteger a rede de um ataque de 51%.

Satoshi manteve sua participação na hashrate em 60%, à medida que a rede cresceu e um ataque de 51% foi uma grande ameaça para o Bitcoin na época, como ocorreu para as novas criptomoedas nos últimos tempos.

Parece provável que Satoshi estava tentando proteger a rede Bitcoin, tornando a rede menos propensa a ataques maliciosos, reduzindo a taxa de criação de blocos de Patoshi para 1 bloco a cada 10 minutos.

Blocks mined per 10 minutes per Patoshi chain
Blocks mined per 10 minutes per Patoshi chain

Blocos extraídos por 10 minutos na cadeia Patoshi. Fonte: Whale Alert

Muitos analistas acreditam que Satoshi parou de minerar no bloco 54.316, uma vez que considerou a rede suficientemente descentralizada. No entanto, houve algumas irregularidades nos blocos posteriores que se estendem até maio de 2010 ou no bloco 112.500, mas atualmente elas não podem ser confirmadas como Patoshi ou Satoshi.

Satoshi venderá alguma vez?

As ações do minerador Patoshi parecem ser meticulosamente calculadas e voltadas para a proteção da rede, à medida que a hashrate global do Bitcoin aumenta e a mineração é retomada. Parece improvável que essa mesma entidade deseje vender parte da oferta de Bitcoin e isso teria um efeito de deterioração para a rede BTC. O Whale Alert conclui o mesmo dizendo:

“O momento da paralisação, o comportamento da mineração, a diminuição sistemática da velocidade da mineração e a falta de gastos sugerem fortemente que Satoshi estava interessado apenas em crescer e proteger a rede jovem. O Bitcoin extraído por Patoshi foi possivelmente um mero subproduto desses esforços e é improvável que o restante seja gasto, embora a questão permaneça por que Satoshi simplesmente não os queimou neste caso.”

De acordo com um dos primeiros desenvolvedores do Bitcoin, Satoshi temia tanto um ataque de 51% que até tinha uma GPU pronta para defender a rede, embora não fosse usada para manter a mineração um tanto equilibrada.

Lerner também acredita que as ações do minerador Patoshi não foram motivadas por ganhos financeiros e, segundo Lerner, “Satoshi nunca usará suas moedas”.

Leia mais:

Fonte: cointelegraph.com.br/news/109-billion-bitcoin-stash-proves-satoshi-is-still-the-biggest-whale

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here