A Rede de Serviços Blockchain da China (BSN), se dividiu em duas entidades separadas após um desentendimento sobre a integração de blockchains públicas.

O consórcio foi fundado para promover o avanço da tecnologia blockchain no país. Agora está se dividindo em duas entidades independentes: BSN-Chain e BSN-International. Este último será dirigido por um dos membros originais da BSN que é uma empresa privada – Red Date.

Empresas estatais da China contra blockchains públicas

Uma fonte familiarizada com o assunto disse ao Cointelegraph que essa brecha foi causada pela “retração de seus membros estatais essenciais nas integrações da cadeia pública”. O consórcio é liderado pelo Centro de Informações do Estado, pela China Mobile Communication Corporation e pela China Union Pay – todas entidades controladas pelo estado.

A fonte observou que o plano original pretendia adicionar cinco redes blockchain à BSN: Ethereum (ETH), EOS (EOS), Nervos (CKB), NEO (NEO) e Tezos (XTZ). Eles também indicaram que essa reação causou atrasos e incertezas sobre a futura implantação.

As duas BSNs serão integrados

Um meio de comunicação chinês relata que, embora as duas entidades sejam independentes, cinco dos nodes da BSN-China serão conectados à BSN-International. Ao mesmo tempo, observa que esses cinco nodes precisariam cumprir totalmente as leis e regulamentos locais apropriados.

Esse desenvolvimento indica que, apesar do entusiasmo do presidente Xi em relação à tecnologia blockchain, as elites locais permanecem desconfortáveis com as redes públicas de blockchain que não podem ser facilmente censuradas ou controladas.

Leia mais:

 

Fonte: cointelegraph.com.br/news/chinas-blockchain-network-splits-over-disagreement-about-public-chains

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here