imagem04-08-2020-05-08-26
imagem04-08-2020-05-08-26
Desativado há seis anos, o Teatro Nacional é uma forte referência cultural do DF e do país | Foto: Arquivo/Agência Brasília

Demanda comum da classe artística e do público do DF, a restauração da Sala Martins Penna, Teatro Nacional Claudio Santoro (TNCS), finalmente vai sair do papel. Assinado em conjunto pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) e pela Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), o Convênio nº 1/2020, publicado na edição do Diário Oficial do DF desta segunda-feira (3) abre caminho para a revitalização daquele espaço, interditado há mais de seis anos.

O convênio fornece o apoio necessário ao processo licitatório de restauro e prevê recursos que serão destinados pela Secec à empresa pública para a contratação de serviços técnicos necessários à complementação dos projetos da licitação da obra.

A licitação será conduzida pela Novacap, que se torna o principal braço executor da obra. “Temos a obrigação moral de devolver o Teatro Nacional para a população não apenas de Brasília, mas do Brasil”, destacou o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues. “O Teatro Nacional é símbolo da cultura e referência em todo o mundo”.

“Temos a obrigação moral de devolver o Teatro Nacional para a população não apenas de Brasília, mas do Brasil” Bartolomeu Rodrigues, secretário de Cultura e Economia Criativa

Captação de recursos

No final de 2019, a Secec captou, junto ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDD) do Ministério da Justiça e Segurança Pública, R$ 33 milhões, verba que será destinada à reforma da Sala Martins Pena, a segunda mais importante do complexo do TNCS.

R$ 33 milhõesRecursos captados junto ao FDF para as obras

“A Novacap está muito empenhada nesta missão de recuperar a Sala Martins Penna”, assegura o diretor-presidente da companhia, Fernando Leite. “Sabemos que a assinatura desse convênio é fundamental para o DF, pois trata-se do primeiro passo para a reforma do Teatro Nacional, um marco para a cultura de Brasília e de todo o Brasil, um compromisso do governador Ibaneis Rocha.”

O projeto prevê o restauro completo da Sala Martins Penna, incluindo acessibilidade do local, segurança, acústica, iluminação cênica e mudanças nas poltronas, palco e piso. Além disso, serão feitas melhorias no foyer e na cafeteria que atende o espaço. Os painéis de Athos Bulcão nas áreas internas e externas e o paisagismo de Burle Marx também serão recuperados. Uma vez concluída essa obra, todos os movimentos se voltam para a Sala Villa-Lobos.

A reabertura do TNCS, fechado desde 2014, é uma reivindicação de toda a sociedade. Patrimônio cultural, o local já recebeu espetáculos cênicos e musicais de nível internacional – entre esses, o Balé Bolshoi.

Fundo de Defesa de Direitos Difusos

O FDD é um fundo de natureza contábil, vinculado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, criado em 1988 para gerir recursos procedentes das multas e condenações judiciais e danos ao consumidor, entre outros.  Os valores são utilizados para financiar projetos de órgãos públicos e entidades civis que visem à reparação dos danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico, paisagístico, por infração à ordem econômica e a outros interesses difusos e coletivos.

* Com informações da Secec

Fonte: www.agenciabrasilia.df.gov.br/2020/08/03/cultura-abre-caminho-para-reativar-o-teatro-nacional

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here