Os defensores da criptomoeda há muito tempo apontam as fraquezas da moeda fiduciária. Agora, um mundo incerto abalado por uma crise de saúde global e surtos geopolíticos os está colocando em diálogo com o mainstream como nunca.

Em um tweet publicado em 3 de agosto, o CEO da Ripple, Brad Garlinghouse, respondeu um artigo recente da Bloomberg, que pesquisou a gama de possíveis alternativas ao dólar como moeda de reserva mundial.

O artigo abrangeu o ouro, várias principais moedas fiduciárias – Iene, Yuan e o Euro – e os Direitos de Saque Especiais emitidos pelo FMI e terminou com criptomoedas. 

A maioria dos governos está “olhando seriamente para a blockchain”

Garlinghouse disse que o momento por trás das moedas digitais no final da década de 2020 foi uma questão de “confiança no sistema financeiro”.

“À medida que as populações globais continuam perdendo a confiança nas moedas fiduciárias (como vemos no Dólar), elas optam por diversificar. Nosso futuro sistema financeiro global fará o mesmo”, argumentou.

Seu argumento manteve uma linha próxima a Tom Lee, da Fundstrat, que havia dito à Bloomberg que “a confiança está realmente quebrando no sistema financeiro tradicional – esse é o tema. Quanto menos você confia no Dólar, mais você quer alternativas.”

Nesse cenário de turbulência econômica, rachaduras na ordem geopolítica pós-1989 e tensões no comércio e investimento globais, Garlinghouse argumentou que os benefícios intrínsecos das criptomoedas são mais aparentes do que nunca:

“Há um ano, muitos criticaram a criptomoeda como uma farsa e agora a maioria dos governos está olhando seriamente para a blockchain. Ela aborda atritos (ou seja, liquidação, transparência etc.) que foram considerados MUITO difíceis de resolver antes. A criptomoeda subiu 80%, enquanto o dólar caiu 3% no acumulado do ano.”

O desenvolvimento da China de uma moeda digital do banco central (CBDC) é o principal exemplo da virada do poder crescente em tecnologias inovadoras para aumentar seu jogo nas disputas geopolíticas, monetárias e tecnológicas do novo século. 

Dólar em perigo?

A crise econômica do COVID-19 começou de forma otimista para o dólar americano, com investidores fugindo para seu “refúgio” desde o início – provocando uma recuperação excepcional de 9%.

Mas esse padrão familiar foi revertido à medida que a crise avança. Julho foi o pior mês do dólar em uma década. Seu recente declínio reflete as crescentes tensões diplomáticas entre os EUA e a China e o incômodo acordo que o domínio do dólar representa em um mundo tumultuado e multipolar, lançado em forte confusão pela pandemia.

Analistas – como observa Garlinghouse – concordam que é improvável que vejamos o fim imediato da hegemonia do Dólar.

A posição do Dólar como a “espinha dorsal” da infraestrutura financeira global “não desaparecerá em favor do ouro /yuan/cripto/qualquer outro ativo em breve”, escreveu Garlinghouse. “Mas hoje está mais fraco? Sim.”

A resposta vacilante dos Estados Unidos à crise da saúde pública e às polarizações políticas internas contribuíram para uma perda em seu “soft power”, e os investidores no mercado de títulos dos EUA parecem estar precificando uma recuperação econômica decepcionante dos EUA.

Leia mais:

Fonte: cointelegraph.com.br/news/world-govts-eye-blockchain-as-dollars-power-wanes-says-ripple-ceo

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here