A MicroStrategy adotou o Bitcoin (BTC) como sua moeda de reserva – e espantou os comentaristas ao comprar mais de 21.000 BTC em 11 de agosto.

A maior empresa de business intelligence de capital aberto do mundo trocou a moeda fiduciária por Bitcoin como seu ativo de reserva de valor, mas as razões por trás disso sugerem que mais grandes empresas não terão escolha a não ser fazer o mesmo.

Por que a MicroStrategy escolheu o Bitcoin e outras a seguirão?

Ouro digital

Em um comunicado à imprensa emitido em 11 de agosto, o CEO, Michael Saylor, foi mais longe do que a maioria ao chamar o Bitcoin de “ouro digital”.

Sem “se” ou “mas”, Saylor sem reservas conectou a maior criptomoeda com ativos fiduciários e outros portos seguros tradicionais, como ouro.

“Bitcoin é ouro digital – mais forte, mais rápido e mais inteligente do que qualquer dinheiro que o precedeu”, comentou.

Esse ângulo imita de perto alguns dos principais proponentes do Bitcoin, notavelmente Saifedean Ammous, que em seu livro, “The Bitcoin Standard”, explica repetidamente que a chamada “escassez digital” coloca o Bitcoin em uma liga separada de qualquer outra forma de dinheiro que já existiu.

Como Ammous, Saylor também acredita que a própria estrutura do Bitcoin garantirá que seu valor só aumentará com o tempo.

Ele adicionou: 

“Esperamos que seu valor seja agregado com os avanços da tecnologia, a expansão da adoção e o efeito de rede que alimenta o aumento do ativo.”

Dúvidas sobre o futuro da moeda fiduciária

Os bitcoiners estavam particularmente entusiasmados com a MicroStrategy porque ela descaradamente substituiu a moeda fiduciária pela criptomoeda.

Sua compra de 21.454 BTC por um preço agregado de US$ 250 milhões no final do mês passado pode não ser apenas simbólica, mas também significa que a empresa controla 0,1% do fornecimento total de Bitcoin – algo que os concorrentes acharão cada vez mais caro de replicar.

“A MicroStrategy comprou 0,1% do fornecimento de Bitcoin. Muito poucas empresas serão capazes de copiar essa estratégia”, twittou em resposta o apresentador do podcast “What Bitcoin Did,” Peter McCormack.

Para Saylor, houve várias bandeiras vermelhas que o levaram a recorrer ao Bitcoin.

Essas foram “entre outras coisas, a crise econômica e de saúde pública precipitada pelo COVID-19, medidas de estímulo financeiro do governo sem precedentes, incluindo flexibilização quantitativa adotada em todo o mundo, e incerteza política e econômica global”, disse ele.

Continuando, ele argumentou que o que começou como resultado da Covid-19 só causaria mais problemas mais tarde:

“Acreditamos que, juntos, esses e outros fatores podem ter um efeito de depreciação significativo no valor real de longo prazo das moedas fiduciárias e muitos outros tipos de ativos convencionais, incluindo muitos dos ativos tradicionalmente mantidos como parte das operações de tesouraria corporativa.”

O Cointelegraph tem frequentemente relatado o impacto prejudicial de práticas como a flexibilização quantitativa e as vozes que avisam os consumidores a abandonar o sistema fiduciário para proteger sua prosperidade a longo prazo.

Para Jason Yanowitz, fundador da rede de mídia financeira BlockWorks Group, as reservas de Saylor acabarão por desencadear o pioneirismo em toda a esfera empresarial.

“O CEO da MicroStrategy disse que comprou Bitcoin para evitar a inflação”, resumiu

“Eventualmente, todas as empresas de capital aberto farão o mesmo.”

Esta semana, o Cointelegraph observou que o valor do Bitcoin parecia estar acompanhando os balanços inflados dos bancos centrais em 2020.

Bitcoin’s “Schelling point”

Por fim, Saylor elogiou muito o Bitcoin – e não mencionou que a empresa sequer considerava outras criptomoedas.

“Consideramos a aceitação global, o reconhecimento da marca, a vitalidade do ecossistema, o domínio da rede, a resiliência arquitetônica, a utilidade técnica e o etos da comunidade do Bitcoin como uma evidência persuasiva de sua superioridade como classe de ativo para aqueles que buscam uma reserva de valor de longo prazo”, ele disse.

A vida de onze anos do Bitcoin fez com que ele permanecesse a maior criptomoeda e impedisse vários esforços conjuntos para miná-lo.

Como Ammous e vários outros costumam explicar, o Bitcoin se provou por meio deste método – e as criptomoedas alternativas (altcoins) não conseguiram demonstrar que podem ganhar o status e a popularidade do Bitcoin.

A preferência dos mineradores por BTC apóia a teoria de que, a longo prazo, a segurança e as proezas no mercado só aumentarão – os fundamentos técnicos do Bitcoin permanecem em uma ampla tendência de alta, resultado dos mineradores dedicarem cada vez mais recursos à rede.

Leia mais:

Fonte: cointelegraph.com.br/news/3-reasons-why-microstrategy-adopted-bitcoin-and-why-others-will-too

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here