imagem21-08-2020-11-08-21
imagem21-08-2020-11-08-21
Nova UBS de Samambaia | Foto: Acácio Pinheiro/Agência Brasília

Porta de entrada para a rede hospitalar pública do Distrito Federal e capaz de resolver 80% dos problemas de saúde da população, a atenção primária à saúde e sua expansão é encarada como prioridade pelo GDF. Uma unidade básica de saúde (UBS) está quase pronta para ser entregue em Samambaia e o governo investe atualmente mais R$ 14,8 milhões na construção de outras cinco. São cerca de 800 empregos diretos e indiretos gerados e o esforço para ampliar o quanto antes a rede de atendimento à comunidade. 

A inauguração da UBS nº 11 de Samambaia está próxima. A Companhia Energética de Brasília (CEB) executa a ligação elétrica para que tudo funcione plenamente. Localizada na Quadra 831, a obra recebeu investimento de R$ 2,5 milhões. A unidade contará com quatro equipes de Saúde da Família, uma de saúde bucal e atenderá uma população estimada em 14 mil pessoas que vivem em 11 quadras vizinhas, além dos moradores do Morro do Macaco, do Morro do Sabão e da área rural. 

14 mil pessoasdevem ser atendidas pela nova UBS 11, de Samambaia

“É uma conquista para a comunidade”, comemora a dona de casa Marcela Oliveira. A mulher de 46 anos acompanhou a construção vizinha desde o início. “É importante acompanhar a saúde chegando mais perto de nós. Acho que toda a cidade ganha”, diz. Mãe de um menino com necessidades especiais, ela projeta melhoria da qualidade de vida para toda a família com a proximidade da unidade.  

Coordenador de Atenção Primária da Secretaria de Saúde, Fernando Erick Damasceno Moreira explica que a nova unidade em Samambaia vai até o ponto mais crítico da cidade. De acordo com ele, o governo tem um planejamento para expandir a Estratégia Saúde da Família (ESF) e ter 100% de cobertura. “Seguimos a lógica de priorizar territórios de vulnerabilidade”, explica. 

Esta será a terceira UBS entregue neste ano. Em março, uma começou a funcionar no Núcleo Rural Lobeiral, na Fercal. Em julho, o GDF entregou a UBS do Recanto das Emas (confira aqui as UBS do DF). Cinco outras estão em andamento e devem ser entregues no primeiro semestre de 2021. Segundo a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), a mais adiantada é a do Paranoá Parque, com 30% de execução (confira o andamento das obras no quadro abaixo).

imagem21-08-2020-11-08-24
imagem21-08-2020-11-08-24

Outras 13 UBS estão em fase final da elaboração de projetos complementares para que sejam licitadas. Os investimentos na atenção primária em 2020 ainda envolvem a convocação e nomeação de médicos e enfermeiros de família e comunidade, a contratação de agentes comunitários de saúde e a alocação deles nos territórios. 

Perto de casa

No Paranoá Parque, a nova UBS vai beneficiar uma população de 25 mil pessoas. Quem acompanha com expectativa o andamento da obra é a dona de casa Rafaela de Souza Santos, de 39 anos. Ela se mudou do Setor de Chácaras do Paranoá para um conjunto habitacional há quase cinco anos. 

imagem21-08-2020-11-08-28
imagem21-08-2020-11-08-28
“Agora, a tendência é só melhorar”, diz Rafaela de Souza | Foto: Renato Alves/Agência Brasília

Mãe de dois filhos, hoje a família recebe acompanhamento no posto provisório instalado há dois anos em uma biblioteca na região. “Muitas vezes a gente desiste de ir por causa da distância e acaba se automedicando. Essa construção é um ganho enorme para todos os moradores. Nos mudamos para cá sem nada de infraestrutura. Agora, a tendência é só melhorar. Não nos sentimos mais esquecidos”, comemora a moradora. 

“É uma dívida que temos com a comunidade do Paranoá Parque”, entende a gerente de Serviços de Atenção Primária vinculada à Superintendência da Região de Saúde Leste, Mariana Alencar. Para ela, os equipamentos públicos deveriam ter sido planejados junto com o conjunto habitacional, garantindo qualidade de vida. “A unidade vai possibilitar ampliação de acesso à saúde, uma vez que a proximidade permite construir referências e vínculos entre a população e as equipes”, explica. 

Além disso, ela valoriza as condições de trabalho para o servidor. Planejada como unidade básica de saúde, ela terá estrutura para ofertar mais serviços e permitir que os já executados sejam feitos em melhores condições. 

Plano de expansão

O coordenador de Atenção Primária explica que há dois eixos no plano de expansão: um envolve estrutura física, equipamento e força de trabalho, enquanto o outro trata de qualificação. “Temos um cálculo de uma equipe de mais ou menos 3,5 mil pessoas e cada UBS comporta quatro equipes”, aponta Fernando Erick Damasceno Moreira. Assim, 14 mil pacientes são beneficiados a cada inauguração. Conforme o gestor, o mais importante é ofertar serviços próximos às comunidades. 

Leia também

UBS, UPA ou hospital: em qual unidade buscar atendimento?

imagem21-08-2020-11-08-29
imagem21-08-2020-11-08-29

Sete UPAs em construção simultaneamente

“O ponto é descentralizar a oferta de serviços e, de forma estratégica,  aproximar o atendimento do cotidiano das pessoas. Naturalmente, para funcionar bem e resolver os problemas, a UBS precisa estar conectada com toda a rede, por ser a porta de entrada no sistema de saúde”, ressalta. Essa é a adequação necessária para acompanhar o envelhecimento da população, com acompanhamento por toda a vida. 

O ponto é descentralizar a oferta de serviços e, de forma estratégica, aproximar o atendimento do cotidiano das pessoasFernando Erik Damasceno, coordenador de Atenção Primária

imagem21-08-2020-11-08-30
imagem21-08-2020-11-08-30
UBS do Jardins Mangueiral | Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília

O Conselho de Saúde do DF entende que o modelo assistencial prioritário deve ser baseado na Estratégia Saúde da Família. “Na atenção primária são resolvidos cerca de 80% dos problemas de saúde da população, então é necessário o forte e massivo investimento com a maior expansão possível”, afirma a presidente da entidade, Jeovania Rodrigues Silva. 

Ela aponta que as unidades em construção vão ampliar a cobertura para localidades sem base própria e dar melhores condições de trabalho com estrutura apropriada para execução dos serviços. “Novas equipes fazem com que o alcance seja maior e, com passar do tempo e atividades consolidadas, o impacto é positivo na saúde da população”, explica. 

Nas unidades básicas de saúde, são oferecidos desde exames, consultas e acompanhamentos médicos até a entrega de medicamentos, a troca de curativos e a aplicação de vacinas. O serviço serve também para desafogar a procura dos doentes pelos hospitais, já que trata de casos simples e preventivos, e faz a primeira abordagem de pacientes com sintomas de Covid-19

No DF, as UBS funcionam de segunda a sexta-feira em horários diferentes, a depender das unidades, mas comumente em horário comercial. Esses espaços estão disponíveis para o público nas faixas das 7h às 17h, das 7h às 19h e das 7h às 22h – este último caso é chamado de horário estendido. 

Fonte: www.agenciabrasilia.df.gov.br/2020/08/21/construcao-de-cinco-novas-ubs-gera-800-empregos-diretos-e-indiretos

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here