Com pinturas artísticas, os pequenos pacientes ganharam um ambiente vivo e colorido enquanto aguardam atendimento

 

LUIZ FERNANDO CÂNDIDO,

DA REGIÃO DE SAÚDE LESTE

 

Pinturas trazem elementos lúdicos trazendo um ambiente acolhedor na área de espera – Foto: Divulgação/SES-DF

A pediatria do Hospital da Região Leste, no Paranoá, está de cara nova. As áreas de espera interna e externa ganharam cores vivas e desenhos lúdicos trazendo um ambiente mais acolhedor e humanizado às crianças que aguardam atendimento. O tema do trabalho artístico é: “HRL, Um Novo Olhar”. O projeto foi desenvolvido pela equipe de Acolhimento e Classificação de Risco da unidade. Os traços na parede ficaram por conta do artista plástico Edevan Lima.

 

“Nós trouxemos uma ideia de melhoria da área de espera da pediatria tornando esse ambiente mais lúdico, acolhedor, humanizado, e com isso, a interação da família do paciente e juntamente com os profissionais para o tratamento da criança. E hoje nós vemos uma população mais feliz, mais acolhida”, explica a supervisora da Classificação de Risco, Patrícia Maria Silva de Andrade.

 

As crianças que precisam de atendimento de emergência ganharam um espaço colorido enquanto aguardam atendimento – Foto: Divulgação/SES-DF

A superintendente da Região de Saúde Leste, Raquel Beviláqua, destacou o trabalho da equipe em organizar e proporcionar uma melhor assistência ao usuário. “Esse é um trabalho lindo da equipe da Classificação de Risco que visa acolher o nosso usuário em um espaço mais humanizado de modo a proporcionar a integralidade do cuidado desde a classificação até o momento da sua alta”, frisa.

 

Quem aprovou o novo espaço foi a pequena Heloisa Victória, de três anos. Aos cuidados do padrasto Lucas Simões Silva, de 25 anos, a criança tirou fotos nas duas asas de anjos desenhadas na parede e brincou nos desenhos no chão enquanto esperava o retorno da mãe Bruna. A família de São Sebastião foi ao hospital para o teste da orelhinha do filho recém-nascido.

 

Todo o ambiente foi revitalizado – Foto: Divulgação/SES-DF

“Parei aqui, ela já começou a brincar, pular e ver a joaninha. Já falou comigo de tudo. O espaço aqui é muito bom. Deram uma melhorada boa. Mesmo aqui não tendo brinquedos, ela brinca só aqui olhando para o chão”, conta Lucas.

 

Para não prejudicar o fluxo de atendimento dos pacientes no setor, quase todo o trabalho de pintura foi realizado à noite. A iniciativa contou com o apoio da limpeza e segurança. A enfermeira Daniele Mendonça Marques, enfermeira da Classificação de Risco, contou como foi a programação.

 

“Pela estrutura do hospital, pela questão da rotatividade, do fluxo do setor, que é um ambiente de espera, então aqui não para, e aí foi fechado que ele (artista) que faria toda a arte à noite. Então assim a gente conseguiu isolar. Nenhum paciente passava por aqui durante esse período. Então foi feito à noite, duas noites seguidas, e durante o domingo”, diz.

 

O trabalho artístico tem como tema HRL, Um Novo Olhar – Foto: Divulgação/SES-DF

 

Atendimentos no setor

 

No mês de dezembro passaram pelo Acolhimento e Classificação de Risco 8.151 pacientes. Ao longo de todo o ano passado esse número foi de 97.993 atendimentos.



Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here