O julgamento da Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 742, que versa sobre a implementação de medidas emergenciais contra os impactos do coronavírus em territórios quilombolas, teve início na última sexta-feira (12) com a publicação do voto do ministro relator Marco Aurélio de Mello. O julgamento está previsto para terminar no dia 23 de fevereiro.

Leia mais: STF julga nesta sexta (12) ajuda negada por Bolsonaro aos quilombolas na pandemia

Ainda que a decisão seja favorável, a Cordenação Nacional de Articulação de Quilombos (Conaq) afirma que o voto parcial não contempla todas as demandas da população quilombola manifestadas na ação, como, por exemplo, a chamada ‘proteção possessória’ dos territórios tradicionais de comunidades ameaçadas por despejos. Na prática, isto impediria ações de reintegração de posso durante o período da pandemia.

Marco Aurélio de Mello determinou a inclusão dos quilombolas nos relatórios de monitoramento realizados pelas autoridades sanitárias no prazo máximo de 72 horas, assim como estabeleceu o prazo de 3 dias para que o governo federal crie um grupo de trabalho com a participação da Conaq. 

:: Taxa de letalidade por coronavírus entre quilombolas é o dobro da média nacional ::

O objetivo é que o coletivo assegure o acompanhamento e o registro dos efeitos da proliferação do coronavírus entre a população quilombola. 

No entanto, de acordo com nota publicada pela Conaq, a assessora jurídica Vercilene Dias considera que o voto do ministro relator não apresenta elementos necessários para garantir de fato a eficácia da determinação judicial, a exemplo de medidas de acompanhamento de elaboração e implantação das medidas por parte do Poder Judiciário.

“Sem isso a decisão pode se tornar apenas mais uma a não ser cumprida pelo Poder Executivo”, avalia a advogada que coordenou o processo de elaboração da ação histórica movida pelos quilombolas em setembro de 2020. 

Marco Aurélio também defendeu a inclusão da população quilombola no Plano Nacional de Imunização (PNI) com prazo de um mês.

Após a votação aberta, os demais ministros têm o prazo de cinco dias úteis para se manifestarem sobre a ação.

O julgamento será encerrado em 23 de fevereiro por meio do plenário virtual.

Edição: Rogério Jordão



Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here