Presidente Jair Bolsonaro após reunião no Ministério da Economia em Brasília 27/01/2021 REUTERS/Ueslei Marcelino
Presidente Jair Bolsonaro após reunião no Ministério da Economia em Brasília (REUTERS/Ueslei Marcelino)

SÃO PAULO – A decisão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de substituir o comando da Petrobras praticamente dividiu ao meio os eleitores entre apoiadores e críticos. É o que mostra rodada extra da pesquisa XP/Ipespe, realizada nos dias 22 e 23 de fevereiro.

Na última sexta-feira (19), Bolsonaro anunciou a troca do atual presidente da estatal, Roberto Castello Branco, pelo general Joaquim Silva e Luna, que comandava a usina de Itaipu. A decisão ainda precisa ser submetida à análise do conselho de administração da companhia.

De acordo com o levantamento, 70% dos entrevistados tomaram conhecimento da notícia. Deste grupo, 40% dizem que Bolsonaro errou com o movimento, interpretado no mercado financeiro como sinal de alerta de interferência política sobre o funcionamento da estatal – e que levou as ações a uma queda acumulada de 20% em dois pregões.

O estopim para a troca no comando da Petrobras foi o novo reajuste da companhia sobre os preços dos combustíveis – de 14,7% no diesel e 10% na gasolina. A disparada dos preços fez Bolsonaro zerar a incidência de impostos federais sobre o diesel por dois meses, cedendo à pressão de caminhoneiros, que ameaçavam com a realização de greve.

Segundo a pesquisa, 41% acreditam que os preços dos combustíveis devem ser definidos pelo mercado, mas que o governo estabeleça prazos para os reajustes. Já 25% defendem decisão pelo mercado sem qualquer interferência do governo. Outros 18% dizem que é o governo quem deve ditar os preços, mesmo que isso levasse a um aumento de impostos em geral.

O levantamento mostrou que a avaliação do governo do presidente Jair Bolsonaro junto ao eleitorado se manteve praticamente inalterada em comparação com o início do mês.

A atual administração é considerada ótima ou boa por 31% dos entrevistados – 1 ponto percentual acima da registrada em 4 de fevereiro. Já o grupo que avalia negativamente a gestão se manteve em 42%.

Receba o Barômetro do Poder e tenha acesso exclusivo às expectativas dos principais analistas de risco político do país





Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here