Com serviços iniciados desde março, o Conjunto Fazendinha está sendo reformado para evitar danos maiores nas estruturas das casas | Foto: Marina Gadelha / Secec

Após concluir os estudos e análise das necessidades emergenciais dos principais equipamentos culturais sob sua responsabilidade, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) pôs em ação um plano de trabalho, batizado de Brasília, Cidade Patrimônio que consiste em manter esses espaços aptos a receber o público tão logo as restrições de acesso, devido à pandemia, sejam flexibilizadas.

“Brasília merece um presente como este nos seus 61 anos, pois é o segundo aniversário em meio a uma crise sanitária que vem afastando as pessoas de atividades culturais, tão essenciais ao seu bem-estar”, afirma o secretário de Cultura e Economia Criativa, Bartolomeu Rodrigues.

Com serviços iniciados desde março, a Secec está atuando diretamente em nove equipamentos: Biblioteca Nacional de Brasília (BNB), Teatro Nacional Claudio Santoro (TNCS), Memorial dos Povos Indígenas (MPI), Museu Vivo da Memória Candanga (MVMC), Concha Acústica, Cine Brasília, Museu Nacional da República (MuN), Conjunto Fazendinha e Complexo Cultural Samambaia (CCS).

No Museu de Arte de Brasília as obras já foram finalizadas. A secretaria está em contagem regressiva para a inauguração do complexo | Foto: Marina Gadelha / Secec

Isto sem contar o Museu de Arte de Brasília, cujas obras já foram finalizadas e está em contagem regressiva para a inauguração do complexo, agora totalmente adaptado à concepção museológica, com vãos mais espaçosos de exposição e salas para conservação e recuperação de obras.

O secretário Bartolomeu Rodrigues espera, ao longo de 2021, anunciar outras iniciativas importantes em curso na pasta, como o início das obras de restauração da Sala Martins Pena, do Teatro Nacional Cláudio Santoro e do Conjunto Fazendinha, na Vila Planalto. “Trata-se de melhorias e ações emergenciais em bens materiais de importância vital para o projeto de preservação da cidade”, acrescenta Bartolomeu Rodrigues.

As ações que ocorrem nesse momento no Conjunto Fazendinha e Teatro Nacional antecedem as licitações. Enquanto o primeiro patrimônio passa por ações emergenciais para evitar danos maiores nas estruturas das casas, o segundo ganha uma manutenção ampliada no ar-condicionado central.

“Essa intervenção no ar-condicionado do Teatro Nacional visa evitar o colapso desse sistema, que está parado desde o seu fechamento em 2014. No segundo semestre, vamos seguir com novas intervenções em equipamentos como Centro Cultural de Dança e Casa do Cantador”, observa o secretário-executivo Carlos Alberto Jr.

Brasília, Cidade Patrimônio

Conjunto Fazendinha

O patrimônio cultural do DF tem a carga em processo de transferência da Secretaria de Desenvolvimento Urbano (Seduh) para a Secec. Enquanto o Termo de Referência (TF) balizado por Grupo de Trabalho não se processa em licitação para a restauração, a Secec realiza uma série de ações emergenciais nas cinco casas.

Não se trata ainda do restauro. São procedimentos que visam evitar o colapso das estruturas há muito abandonadas. Nesse momento, ocorre o escoramento de três das cinco casas, com risco de desabamento, além de revisão elétrica em outras. Limpeza do terreno, poda de árvores, remoção ecológica de colmeia, dedetização e remoção de entulhos também foram realizados.

Investimento: R$ 184 mil

Início das obras: 23/3/21

Tempo de execução: 45 dias

Teatro Nacional Claudio Santoro

Fechado desde 2014, o Teatro Nacional segue com a entrega dos estudos orçamentários para a Caixa Econômica Federal par liberar o recurso de R$ 33.314.447 do Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDD). Em paralelo, o serviço executado no ar-condicionado central recupera a Torre de Água Gelada, substitui compressores travados, revisa e corrige sistema elétrico, trazendo de volta esse sistema de refrigeração.

Investimento: R$ 121 mil

Início das obras: 1/3/21

Tempo de execução: 45 dias

Além disso, ocorrem a reposição de gás e manutenção em motores elétricos e ajustes no sistema de molas das portas do Foyer. Investimento: R$ 10 mil

Biblioteca Nacional de Brasília (BNB)

Uma das ações no equipamento consiste em reforma do quarto andar, com a instalação de piso vinílico e divisórias, remoção de carpetes e fornecimento de rede elétrica.

Investimento: R$ 1,6 milhão

Início das obras: 1/3/21

Tempo de execução: 90 dias

A reforma também inclui recuperação da fachada e impermeabilização do espaço Território Criativo.

Investimento: R$ 50 mil

Início das obras: em emissão de ordem de serviço

Tempo de execução: 45 dias

Memorial dos Povos Indígenas (MPI)


Execução de projeto de Combate a Incêndio

Investimento: R$ 258,5 mil

Início das obras: 09/03/21

Tempo de execução: 60 dias

Além disso, ocorre o desentupimento no sistema de ralos do Museu

Investimento: R$ 4 mil

Museu Vivo da Memória Candanga (MVMC)

Execução de projeto de Combate a Incêndio

Investimento: R$ 85 mil

Início das obras: 09/03/21

Tempo de execução: 60 dias

Museu Nacional da República (MuN)

Desativação e alteração de Galeria

Investimento: R$ 48,8 mil

Início das obras: 18/03/21

Tempo de execução: 30 dias

Concha Acústica


Manutenção corretiva e revitalização das áreas danificadas pela chuva

Investimento: R$ 184 mil

Início das obras: 09/03/21

Tempo de execução: 45 dias

Cine Brasília

Manutenção no sistema de iluminação

Investimento: R$ 8,5 mil

Início das obras: 18/03/21

Complexo Cultural Samambaia (CCS)

Troca do piso da Sala de Dança, construção de duas coberturas com telhas de PVC e intervenções na estrutura para sanar infiltrações pluviais

Investimento: R$ 150 mil

Início das obras: emissão de ordem de serviço

* Com informações da Secec

Galeria de Fotos

Cultura abre nove frentes de trabalho para recuperar patrimônio



Source link

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here