No DF, benefícios sociais estão na casa de quem precisa






Para muito além de obras grandiosas como o Túnel de Taguatinga ou o Viaduto do Recanto das Emas/Riacho Fundo II, o Governo do Distrito Federal (GDF) cuida de pessoas ao garantir acesso à educação, alimentação, trabalho e benefícios sociais que atendem a famílias inteiras, incluindo pais, filhos e avós. Os números mostram que os programas sociais do governo têm mudado a vida da população brasiliense.

“O Cartão Gás deixou de ser um programa emergencial para se tornar uma lei, mostrando o quão importante é para a população”Mayara Noronha Rocha, secretária de Desenvolvimento Social

O Cartão Prato Cheio e o Cartão Gás foram criados pela atual gestão para que a comida não falte na mesa de milhares de famílias. O primeiro já alcança 35 mil famílias que recebem R$ 250 em um cartão para compras em supermercados durante nove meses. Já o segundo oferece um benefício de R$ 100 para a compra do gás de cozinha, item de aquisição cada vez mais difícil para pessoas de baixa renda.

Cinthia Santana com a família: “A gente quer o melhor para os filhos, que eles tenham a oportunidade de ter uma profissão, algo que não consegui” | Fotos: Renato Araújo/Agência Brasília

Além desses benefícios, há 14 restaurantes comunitários espalhados pelo DF. O cardápio oferece comida saudável e balanceada a R$ 1, além do café da manhã disponível na maioria das unidades. Já são mais de 28 milhões de refeições servidas até o início deste mês – o que representa um reforço na alimentação dentro ou fora de casa.

“Fomos a primeira unidade da Federação a instituir o Cartão Gás”, lembra a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha . “Uma forma de complementar as ações voltadas para a segurança alimentar e nutricional das pessoas, o benefício deixou de ser um programa emergencial para se tornar uma lei, mostrando o quão importante é para a população”.

A cada dois meses, dinheiro para o gás

Já são 350 mil donas de casa atendidas com o Cartão Gás. Entre elas, a desempregada Lindaura Alvarenga, 38, moradora de Planaltina. Ela veio do Piauí em 2000 e mora com as duas filhas de 2 e 11 anos. “Meu botijão de gás dura mais ou menos três meses e preciso muito para fazer a comida para a minha filha menor”, conta. “Sem trabalhar, como seria para mim?”

Lindaura recebe ainda o DF Social, no valor de R$ 150, e foi beneficiada com parcelas do Prato Cheio em 2021. “O Prato Cheio tornou-se um dos principais programas da gestão”, pontua Mayara Noronha Rocha. “São cerca de 35 mil famílias que recebem atualmente e que, em breve, vão se tornar 60 mil. Outro grande feito recente foi passar de seis para nove meses o tempo de concessão”.

Dignidade e melhor aprendizado

Zesita Cruz recebe auxílio do GDF para a filha Lorena Santana:  “Agradeço demais ao governo, porque, se não fosse o cartão escolar, ela ficaria sem material”

Na casa da diarista Cinthia Santana, em Santa Luzia, bairro da Estrutural, são três crianças em idade escolar: as filhas Cindy, 14, Lara, 10, e a neta Agatha, de 3 anos. Todas estudam em escolas da região administrativa, com direito a mochila, lápis novos e cadernos para o aprendizado. Tudo proporcionado pelo Cartão Material Escolar (CME), que libera R$ 320 para cada uma das alunas todo início de ano.

“Chega ali em fevereiro, Lara já pergunta se o cartão está liberado; elas ficam ansiosas para ter o material de estudo”, revela Cinthia. “A gente quer o melhor para os filhos, que elas tenham a oportunidade de ter uma profissão, algo que não consegui”.

Vizinha de Cinthia, Zesita Cruz, 54, é faxineira e vive com a filha Lorena Santana, 7. Aluna da Escola Classe 1 da Estrutural, a menina é uma estudante dedicada e também teve o material comprado com o auxílio vindo do cartão.

“Agradeço demais ao governo, porque, se não fosse o cartão escolar, ela ficaria sem material”, conta Zesita, também beneficiária do Cartão Gás. “Não tenho condições financeiras, a pandemia foi muito difícil para a gente. Assim, não tenho como tirar dinheiro da comida para comprar as coisas da escola”. Zesita diz ainda ter recebido cestas emergenciais ao longo dos últimos dois anos, após solicitá-las no Centro de Referência de Assistência Social (Cras) perto de sua casa.

Auxílio proporcionado pela Secretaria de Educação (SEE), o Cartão Material Escolar não somente mantém a criança na escola – significa, igualmente, inclusão. “Temos a questão econômico-financeira, mas também o sentimento de pertencimento, o resgate da autoestima do aluno”, avalia o subsecretário de Apoio às Políticas Educacionais da SEE, Nivaldo Félix. “A criança quer ter um bom material, assim como o colega de sala. Olhamos para a diminuição da desigualdade. Isso reflete na parte pedagógica, estimula o bom aprendizado daquela criança”.

Há ainda o Cartão Creche, que atende crianças de até 3 anos. Criado em 2020, o benefício é disponibilizado para o pagamento mensal a uma instituição privada, abrindo vagas complementares à rede pública do DF. Nada menos do que 15 mil vagas surgiram nos centros infantis após a criação do Cartão Creche, em 2020.

No DF, benefícios sociais estão na casa de quem precisa

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem